SetentaOitenta

A fotografia é uma das manifestações das artes visuais que mais se destacam e que revelam cada vez mais criadores no panorama da arte contemporânea angolana. A multiplicidade de referências, temas e meios usados por estes autores expressam a versatilidade e a irreverência dos mesmos na construção de suas linguagens artísticas. Atento a esta realidade, o Centro Cultural Casa de Angola na Bahia criou um canal de diálogo entre a arte deste conjunto de artistas e o público, neste caso específico, um público alargado que tem acesso à exposição através de uma plataforma digital, o que possibilita um alcance para além do público convencional da nossa instituição.

 

O projecto “SetentaOitenta” apresenta uma pequena amostra do que artistas angolanos nascidos nas décadas de 70 e 80 do século XX têm desenvolvido no âmbito da fotografia. Estes artistas independentes e contemporâneos desenvolvem trabalhos com múltiplas perspectivas, abordando temáticas singularmente angolanas, bem como enfoques globais e assuntos transversais à Angola e ao mundo. Nossa proposta é fazer um recorte actual e mostrar aos angolanos, brasileiros e cidadãos de outras partes do mundo o que está a ser feito em Angola e na sua diáspora no que se refere à fotografia artística.

 

 

“SetentaOitenta” é uma mostra comemorativa dos 45 anos da independência com obras de artistas que nasceram entre os últimos anos de Angola colônia e os primeiros de Angola independente. Pensamos, assim, ter encontrado uma maneira especial de comemorar o quadragésimo quinto aniversário de uma das mais significativas conquistas do povo angolano. Consideramos este conjunto de obras documentos históricos de um período do percurso do nosso país, que se consagrará como memórias registadas por estes criadores angolanos.

 

Sendo a Casa de Angola na Bahia um vetor da internacionalização da cultura e da arte angolanas, pensamos que esta nossa primeira experiência, exibindo obras de artistas angolanos através de uma plataforma virtual, é uma modesta contribuição para a afirmação da arte e dos artistas angolanos, possibilitando o reconhecimento dos mesmos perante um público mais expandido.

 

Benjamim Sabby

Director do Centro Cultural Casa de Angola na Bahia